segunda-feira, maio 4

Lugares comuns...


Hoje estive a ler algumas coisas escritas por mim numa tenra idade de 16 anos, e qual não foi a minha surpresa quando percebi que muitas das minha dúvidas existenciais nessa altura e para as quais não conseguia encontrar explicação, estão ainda bem presentes na minha vida com quase 30 anos. Estranho sentimento este que me invadiu ao rever algumas questões então colocadas, e que me levavam a questionar o ser humano e a sua ânsia em busca de algo que temos dificuldade em definir.

Sempre tive sérias dificuldades em perceber o que me realmente me faz feliz, tendo muitas vezes a sensação do lugar comum em que "só estou bem onde não estou e com quem não estou". Acho que me tornei escravo dos meus próprios sonhos, e que não sabendo muito bem quais são, nunca os consegui pôr em prática, sentindo um vazio constante dentro de mim.

Para mim, e como penso que a maioria das pessoas, aquilo que mais procuro na vida é uma felicidade plena. A questão que se coloca, é o que realmente me fará feliz? Fui procurando essa felicidade ao longo da vida nas coisas mais importantes, que seriam as coisas mais simples e mais pequenas. Sempre valorizei muitos os pequenos pormenores e as atitudes naturais. A família e os amigos são pilares na nossa vida, mas infelizmente não são capazes de culmatar todo o vazio que muitas vezes sentimos.

Sou obrigado a concordar que o amor é sem dúvida um marco na nossa vida, e que culmata muitas vezes o vazio que há em nós, pelo menos durante o tempo em que a chama estiver acesa. O problema é que a vida muitas vezes é madrasta connosco e obriga-nos a criar muitas defesas e que nos acabam muitas vezes por nos fazer afastar das pessoas. Desse modo, temos sérias dificuldades em nos apaixonarmos e deixarmos as coisas fluir naturalmente.

Penso que sou exigente demais comigo e isso inevitavelmente leva-me a ser com os outros. Não acho que as minhas dúvidas existenciais passem apenas pelo amor ou pela ausência dele, não passam de todo, mas tenho noção que em alguma parte estará presente. Gostava sinceramente de compreender o que realmente me fará feliz, mas não consigo encontrar ou definir esse caminho, que me parece tão complexo à primeira vista.

Hoje em dia vivo em função dos meus valores e das pequenas coisas que me dão prazer, será que irei conseguir algum dia viver em função de outra coisa? Eu acredito que sim...


Feeder - "Feeling a moment"


Feeling the moment slip away
Losing direction you're losing faith
You're wishing for someone
Feeling it all begin to slide
Am I just like you
All the things you do - can't help myself

How do you feel when there's no sun
And how will you be when rain clouds come and pull you down again
How will you feel when there's no one
Am I just like you

Turning to face what you've become
Bury the ashes of someone
Broken by the strain
Trying to fill that space inside
Am I just like you
All the things you do - can't help myself

How do you feel when there's no sun
And how will you be when rain clouds come and pull you down again
How will you feel when there's no one
Am I just like you
All the things you do

Don't ever feel
That you're alone
I'll never let you down
I'll never leave you dry
Don't fall apart
Don't let it go
Carry the notion
Carry the notion back to me

Feeling the moment slip away
Feeling the moment slip away

Cause I'm just like you

How do you feel when there's no sun
And how will you be when rain clouds come and pull you down again
How will you feel when there's no one

Am I just like you?

3 comentários:

Anónimo disse...

Uma música de resposta...

http://www.youtube.com/watch?v=McnTmRqNzBs

kisses

Anónimo disse...

É muito natural no ser humano esse tipo de sensação. O sentimento de que não somos felizes ou que deviamos ser mais ainda. Para sermos felizes só temos que nos ter a nós próprios porque tudo o resto vem por acréscimo. A felicidade acaba por ser um estado de graça, que acontece por curtos períodos de tempo e que muitas vezes não nos apercebemos.Temos sempre a percepção de que a felicidade ou a relização plena, tem que ser constante e eterna. Mesmo quem diz ser feliz, nunca o é a tempo inteiro. Quanto ao amor! Sem dúvida é o motor que nos faz mover em direcção à felicidade, mas ele pelo caminho, encarrega-se de nos fazer sofrer um bocadinho até chegarmos ao destino. Eu aproveito, todos os pedaços de felicidade para me sentir bem e assim vou sendo, duma ou de outra forma, FELIZ.


HORTY

purpurinaz disse...

A primavera chegou em grande aí a tua aldeia pa... fogooo

castings!! Nao vou esquecer :p