domingo, fevereiro 8

Ilusões...

Ao longo da nossa vida vamo-nos iludindo com as coisas e com as pessoas, fantasiando os nossos desejos de modo a que não possamos ser julgados. Estamos constantemente a ser assediados pelas emoções materiais, artífice das mais belas seduções, mas que nos vão criando equívocos sistemáticos. Este abismo está muitas vezes associado ao coração, que nos acompanha nas ilusões equivocadas, transcendendo a própria matéria.

Todos os dias criamos a ilusão de simplesmente sermos pessoas melhores ou de viver num mundo criado à nossa medida, onde somos nós que ditamos as regras e onde todas as nossas vontades são satifeitas. Os falsos valores invadem-nos e criam-nos a ideia que sem eles não conseguimos viver. Estranha forma esta de nos julgarmos insubstituíveis quando falamos das nossas ilusões.

Sentimo-nos injustiçados e enganados, porque vamos julgando que o Mundo tem que girar em nosso redor. Estas falsas metas e estes falsos desejos fazem com estejamos insatisfeitos e revoltados. A ilusão pode ser vista neste caso como um escape, como uma desculpa para uma realidade que não pretendíamos, mas que está acontecer.

A sinceridade que tanto almejamos pode-se basear nesta aceitação da realidade, deixando de criar ilusões fictícias nesta história longa que é a nossa vida. Bem sei que a vida muitas vezes é madrasta e nos castiga, mas a melhor de contornar o problema é aceitar as coisas com a maior das clarividencias.

Desengane-se aquele que julga que em nenhum momento da sua vida se irá iludir com alguma coisa ou com alguém. Como tantas vezes repito, sonhar é óptimo e irriga-nos o coração, mas devemos criar ilusões o mais realistas quanto possível. Não devemos fugir das situações, nada disso, devemos sim tentar controlar as situações de modo a não nos deixarmos levar. Temos que conseguir perceber o limite das nossas ilusões e quando devemos parar.

É normal que nos acompanhe a sensação de impotência perante algo que não conseguimos controlar. Infelizmente não conseguimos provar e mostrar a nossa realidade a toda a gente, e a vida é isto mesmo. É um jogo de sentimentos que tanto depressa nos faz rir, como que a seguir já nos está fazer chorar.

Quando se fala de ilusões, ninguém é culpado senão nós próprios. Não podemos querer que as pessoas nos vejam com os olhos que desejaríamos, não podemos querer que as pessoas tenham as mesmas vontades que nós, não podemos querer que vejam a mesma realidade que nós. Temos que seguir para um nível seguinte, deixando para trás um monte de expectativas e ilusões criadas inconscientemente pelo nosso cérebro, essa grande fábrica de sonhos.

Normalmente temos um corredor de portas e teimamos em abrir aquela que está fechada, tentando arranjar alguma forma de a conseguirmos abrir, mesmo que saibamos que é uma tarefa quase impossível. Na minha maneira de pensar a vida não faria grande sentido doutro modo, mas tendo sempre a consciência do limite para parar.

Não vale a pena tentar criar a ilusão de que não nos iludimos...



Mojave3 - Some kinda Angel

3 comentários:

Anónimo disse...

Cá estou eu mais uma x a pensar como é possivel escreveres sobre o k eu tou a sentir, a pensar....
Pois bem, este fim de semana levei com um "choque de ilusao", k ainda tou com UM NÓ TAO GD na barriga, na garganta...
Porra, sinto-me tao parva, tao triste CMG mesma.
Tou desiludida, EXACTAMENTE...CMG, Claramente...

a vontade k tenho é de chorar e chorar e só parar qd sentir k este vazio desapareceu.

Como um dia alguem me disse: "As pessoas nao nos desiludem, NÓS é k criamos demasiadas expectativas pra elas"- eu mt gosto de elevar as expectativas e bater em gd com a cabeça.

Tou tao farta da raça Humana, k começo a pensar em desistir de ser kem sou.
Agora entendo as pessoas k sao frias, más, falsas,egocentricas...É MAIS FACIL VIVER E SUBIR NA VIDA...E SAO RECOMPENSADAS por serem HORRIVEIS.


Cont a escrever, é sp bom saber k existe alguem no mundo k ainda nao passou pro outro lado...

beijo, beijinho, beijao

purpurinaz disse...

:)

claudia disse...

Ao ler este post sobre ilusão veio-me à cabeça o quanto a utilizamos, às vezes sem dar por isso. É possivel que a confundamos muitas vezes com camuflagem: Criar a ilusão de algo que gostaríamos de ser ou da forma como gostariamos que nos vissem. Camuflagem que considero como um mecanismo de defesa (em relação aos outros)é bem diferente de ilusão que vejo como um mecanismo de defesa em (relação a nós).
Acho a ilusão bastante perigosa quando é tão inconsciente que nos consegue enganar, quando aceitamos como verdadeiro o que é falso, ou seja enganamo-nos como forma de justificar as falsas crenças. A noção que tenho é bastante pejorativa e emocionalmente desonesta, tenho medo dela! De não conseguir separar a ilusão saudavel (e que todos temos), da ilusão "mascarada".
Ela nasce das emoções e vontades mais básicas e emocionalmente instáveis que possuimos; como o desejo, a insegurança, ou até mesmo o preconceito e afectam a nossa vontade de acreditar em algo. Como disseste: "os falsos valores invadem-nos".
Apesar disto acho que tens uma ideia bastante clara sobre este assunto (que concordo plenamente), quado dizes que" temos de conseguir perceber o limite das nossas ilusões e quando devemos parar". Obrigada por também me teres feito reflectir sobre este tema :-)
Em relação ao teu "corredor com portas", não os considero ilusões mas sim o sonho saudavel e vontade para abri-las todas!!!

Sê tu, sê feliz!