quinta-feira, abril 3

Sair à noite...

Ora bem, hoje decidi falar desse ritual que se apelida de "sair à noite". Poderia ser simplesmente sair de casa, ir a praia, passear, andar de bicicleta em horário nocturno. Mas não. "Sair à noite" significa ir a uma discoteca. Um café ou um bar não está incluído.
Ir a uma discoteca, parece ser para a maioria dos seres, algo mais complexo do que na realidade deveria ser. Porquê para se ir a uma discoteca teremos que nos vestir de forma diferente do dia a dia? Porquê teremos que vestir a roupa da moda para nos sentirmos ambientados? Pior do que isso, é ser uma condição sinequanon para simplesmente entrarmos para dentro da mesma discoteca. Sermos avaliados pela nossa roupa na moda, ou fora dela. Concordo que as pessoas se preocupem com a imagem, e cuidem do aspecto visual. Faz parte da nossa sociedade. A imagem fala por si, vende, o que quisermos. Mas daí a termos que deixar de ser nós próprios para nos sentirmos ambientados, já não compreendo. Vamos perdendo identidade em todas estas coisas que vamos fazendo em prol desta sociedade de consumo que vivemos.

No outro dia, fui a uma discoteca da moda. Sempre que isso me acontece, fico a pedir que não se repita tão cedo. Mal entrei vi milhares de seres cuidados da cabeça aos pés, com tudo pensado ao pormenor. Fiquei perplexo a pensar se não estaria num casamento de alguém como penetra. Obviamente que não me senti mal por estar vestido de modo diferente. Estava, digamos, com um estilo casual. Até porque o estilo casual está na moda. Ninguém sabia se estava a ser vestido pela Maria Gambina, ou algum estilista do género.
Fui directo ao bar pedir uma bebida, e fico surpreso que quando ia pedir uma bebida, apesar de estarem dezenas de pessoas para serem atendidas também, a menina do bar decidiu tomar a atitude mais sensata. Resolveu ir dançar para cima do bar. Sim, porque era de facto imperdível, só depois reparei. Os clientes esperavam. Seria alguma música do Bob Sinclair ou de algum parente próximo, porque estava tudo em êxtase. Sem grandes soluções, lá resolvi esperar pela minha bebida. Quando fui para o meio da pista, percebi que estava perdido e deslocado. Acho que foi nesse preciso momento. Foi no momento que em tudo o que era ser noctívago de discotecas da moda, levantava os braços para o dj, sempre que dava mais uma grande malha que toda a gente conhecia, menos eu. Senti-me de facto um pouco inculto das músicas do momento. Quase me senti obrigado a gesticular como eles, como se de uma ceita do Reino de Deus se tratasse. Mas consegui-me conter. Fiquei a tentar perceber o que aquelas pessoas estavam ali a fazer, e com que intuito vão para esses sítios. Após muitas horas de reflexão profunda, acho que cheguei a uma conclusão.

As pessoas já não vão às discotecas com grupos de amigos, como antigamente. Agora os grupos vão sendo cada vez menores, e já ninguém sai para se divertir como dantes. Hoje em dia, as pessoas divertem-se de forma diferente.

Acho sinceramente que de todas aquelas pessoas, poucas seriam aquelas que estariam a ser elas próprias e a divertirem-se de facto. Estava tudo ali a encarnar personagens. Estava tudo ali a ver e a ser visto. Mas o problema não me parece ser esse, e reside no facto de ali ninguém sair porque vai ouvir boa música e vai dançar até não poder mais. Felizmente ainda há muitas pessoas que, com gostos muito diferentes, ainda saem pela música e não pelo ambiente que esperam encontrar. Obviamente que nem eu próprio, que acho que me adapto a qualquer situação, me sinto à vontade por exemplo naquelas festas dos grandes dj's. Não por não ter boné e argola, nem sapatilhas com amortecedores, mas simplesmente porque não gosto da música. Apesar de ser um sítio onde as pessoas vão só pela música, que é sempre de salutar, não me consigo enquadrar. É um estilo musical que me põe nervoso. Não aguento lá muito tempo.

Claro, que depois de tudo isto, há aqueles que procuram sítios alternativos a tudo isto. Sítios onde as pessoas são elas próprias. Vestem-se como bem lhes apetece, falam, dançam, riem, saltam, tudo isto sem pensar se alguém está a olhar para a figura menos própria que possam estar a fazer. Felizmente, os sítios alternativos são cada vez mais, e as pessoas que pensam da mesma maneira que eu também.

Por isso aqui fica um bem haja para todos esses. Quem sabe não nos encontramos por aí...

6 comentários:

Anónimo disse...

nao poderias ter mais razao.

Anónimo disse...

PERFEITO!
ADOREI!!!!!!!!

se eu escrevesse algo sobre este tema, descrevia tal e qual como tu!

PARABENS!!! ;)

Beijo
RL

Ana disse...

Este texto fez-me sorrir porque afinal não sou única.

Apesar de respeitar as opções dos outros, gosto muito de ser eu seja dia ou noite e, principalmente, gosto que me reconheçam de dia (ao contrário do que acontece com algumas pessoas que ficam irreconhecíveis depois de retirar a maquilhagem e de "colocarem" roupa).

Muse disse...

Tu sabes que penso exactamente como tu neste assunto...

acrescento ao que disseste, as pessoas não saem para se divertirem, saem para apanhar grandes bebedeiras e não saberem o que fazem, saem para ir para o engate, não interessa se a música é boa, se é má... o que interessa é se no fim da noite se "comeu" alguma coisa (e tb não interessa se essa coisa é boa ou má, o que vier à rede é peixe)

eu saio para curtir a música, de preferência com os meus amigos, mas se por acaso eles não poderem, tb vou sozinho pq vou quase sempre para o mesmo sitio ouvir a música que gosto, e lá já todos me conhecem e sinto-me entre amigos, e tu estás lá e és um deles...

Óbvio que se tiver onde posso distrair os olhos tanto melhor, mas não é para isso que lá vou, não vou para meter conversa com ng e não o faço... se falarem cmg mto bem, sou um rapaz educado e respondo :p

Eu quero é divertir-me e ouvir musica boa!

Anónimo disse...

Claro que tens toda a razão...e o que mais me me deixa perplexa, são as filas e o tempo de espera que passam à porta desses lugares de culto dos meninos meninas "in", para conseguirem entrada...Depois já lá dentro, parecem todos iguais, parecem formatados...
como dizia a outra "oh god make me good but not yet"...
Felizmente existem sítios como o batô e dj´s como tu ;)
Fica bem! e não te esqueças de continuar a opinar...!

Anónimo disse...

MAs que Que Bob Sinclair que quê!
Não, inimaginário....
Ontem consegui ouvir uma mistura, da The end-Doors, mas... que coisa boa...o meu instinto primário foi saltar para a cabine, com as mãos apontadíssimas ao pescoço do Dj, se é k se pode chamar de Dj!!!!Aiii por favor....Já não chegava passar a noite de boca aberta, do género isto ainda existe???!!!!e o Dj ainda me desgraça a música...tenham dó de mim...

Não há nada como chegar,e sentir-me um ET, visto que levava uma t-shirt de manga comprida sem ponta de carne À mostra,e de seguida vejo uma belíssima tatoo (lindíssima, dakelas de chorar por menos!) nas costas, visto k o "top" tinha um decote ate ao...e, qd se vira de frente...e não é k o decote vinha ate ao umbigo! Ah pois é...mas mal eu sabia k ainda tinha mesmo acabado de chegar...E as t-shirts deles, ui, conseguiam ser mais decotadas e com mais cores e folhos k as minhas mais produzidas!!!

vi de tudo o k n queria ver, mas tenho-te a dizer, ri-me muito, também pk a companhia era boa, mas ri-me principalmente porque a última x k tinha lá posto os pés deve ter sido À 3 anitos e as minhas sinceras intenções são de passar pelo menos uns largos anos sem lá voltar...E pode ser k feche até lá :D Eh eh!

Definitivamente, disse para mim mesma, afinal, o que eu vi ate agora n é assim tão mau, há coisas piores...E eu estou a presenciá-las neste preciso momento!afinal nem tudo estava perdido...perdeu-se agora :)

Mil e uma xs, um barzinho, um sitio pequeno, com boa musica, e uma boa companhia...Não entendo como é possível, eu olho para este tipo de sítios onde fui ontem e acho tudo uma fachada... esta tudo num flirt desgraçado, tudo a representar um papel...Perdem completamente a identidade...
Mas, também, quem sou eu para entender...

Criticar, eu sei, é uma coisa feia, mas Ontem foi deveras inspiradora a noite...;)
E tb n levo muito a serio as críticas pessoais k me fazem, só se forem construtivas, portanto vamos-nos rindo uns dos outros, para vivermos mais uns anitos e mais felizes!!!

Um beijo.

Fica bem ;)