terça-feira, maio 6

A Queima...

Pois é, chegou a semana mais aguardada por todos os estudantes, a famosa semana da Queima das Fitas. Muito já foi dito sobre esta semana, mas muito ficará sempre por dizer. É de facto uma semana única, diferente de qualquer cenário que estejamos habituados. Esta festa possui uma dimensão tal, que para qualquer um de nós seria impossível tentar retratar ou resumir tudo aquilo que vai acontecendo nesta festa. É sem dúvida alguma uma festa que se demarca de todas as outras. As razões para isso acontecer são muitas e demasiado complexas para tentar decifrar.

Será para mim inevitável dizer que a tradição já não é o que era. É um facto, e salta à vista de qualquer um que conheceu uma "outra" Queima. São poucos hoje em dia aqueles que vêm a queima do ponto de vista das tradições, principalmente das tradições durante o dia. Para a maioria, a Queima das Fitas não é mais do que oito noites cheias de loucura e êxtase. Não o posso condenar, também já o fiz e compreendo plenamente quem o faz. Entristece-me obviamente, que muitas tradições estejam a ficar para trás. Temos sempre que evoluir, mas há coisas que devemos tentar sempre manter, principalmente quando são tradições com centenas de anos e que fazem todo o sentido em serem mantidas. Fico demasiado triste quando percebo que o principal impulsionador para isso acontecer é a própria Fap (Federação Académica do Porto). De ano para ano as tradições vão-se perdendo, e a Queima das Fitas é cada vez mais vista do ponto de vista financeiro. Não se pode olhar para uma festa como esta meramente com esse intuito. Valores mais altos de levantam. Há que salvaguardar outros valores, outras tradições e principalmente salvaguardar aqueles que fazem a própria festa, os estudantes. Esses nem sempre estão em primeiro lugar, e a meu ver deviam estar.

A Queima no Palácio já lá vai, mas também não podemos comparar. Era uma dimensão totalmente diferente. Hoje em dia as faculdades são em muito maior número, e obrigatoriamente os estudantes também. Aumentar só ao espaço físico, à segurança e ao número de barracas não é suficiente. Principalmente quando os preços dos bilhetes dispararam a olhos vistos. É de salutar as melhorias, mas não são suficientes. Nunca percebi por exemplo, como é feito o cartaz de bandas da Queima. Hoje em dia poucas pessoas vão à Queima pelos concertos, e porquê? Não é só porque querem apenas saudar o Deus Baco e beber como se não houvesse amanhã, talvez seja porque os cartazes apresentados pela Fap sejam cada vez mais fracos e pior de tudo, repetitivos. Há bandas que já não há paciência para ouvir, e essas não são uma tradição, são uma insistência barata e pouco criativa. Há muito mais coisas para enumerar, como a qualidade das bebidas apresentada, ou a maneira monopolizada como a Fap gere essas mesmas bebidas, mas isso é uma guerra que não me pertence e sobre a qual não me apetece alongar.

Apesar de já não ir à Queima, fico com saudades de algumas imagens visuais e sonoras de outros tempos. É fantástico pensar nos concertos que já assisti na Queima, as grandes bandas que por lá passaram e fizeram história. Faz-me sorrir quando me lembro da confusão de pessoas por todo o lado, a confusão de sons e respectiva guerra desenfreada entre barracas pelo melhor volume sonoro. Era incrível quando estavamos inseridos no meio de várias barracas a ouvir estilos musicais diferentes, com as colunas a distorcer o som e a rebentar por todo o lado. É também inevitável falar das hollywoodescas idas ao wc. A confusão gerada em procura de uma casa de banho livre, e se possível com o mínimo de apresentação. Se bem que isto me parecia sempre uma utopia. Quer dizer, talvez no primeiro dia de Queima fosse possível encontrar, a partir daí o cheiro nauseabundo a urina acompanhava-nos todas as noite de festa e as casas de banho estavam impróprias para uso. Lembro-me também dos quilómetros percorridos em dia de cortejo, fazendo a recta final em pleno recinto de Queima como se de uma maratona se tratasse. Não havia cansaço possível, até porque estavamos sempre a reabastecer-nos de líquidos fulgurosos e revitalizantes. Recordo-me também das tremendas filas para comer o mítico pão com chouriço, que àquela hora da madrugada nos sabia melhor que marisco. São recordações deliciosas que já mais esqueceremos e que nos acompanharão a memória para sempre.

Os excessos são muitos. Demasiados até, a ver pela quantidade de estudantes que acabam no Inem a levar soro, o que a meu ver e não querendo parecer velho ou desactualizado é um exagero. Há pessoas a necessitar mais do Inem, que propriamente os estudantes em plena semana de festa. Temos que saber fazer tudo na vida com peso e medida, e a Queima das Fitas parece-me uma boa desculpa para serem cometidos todos os excessos, mas não é por aí.
Excessos sempre houve e haverá em diversas ocasiões. São coisas que não se conseguem controlar e que não tomando proporções exageradas, podem ter algo de positivo.
No fundo há coisas boas, e não devemos meramente nas más.
Esta semana tem de facto uma magia especial, e só quem por lá passa consegue compreender.


A todos os estudantes e não só, eu desejo uma semana fantástica, cheia de de alegria e muita festa...

1 comentário:

purpurinaz disse...

Rena...
Queima e queima... vai mudando em função tb de quem apoia aquilo, como tudo hoje em dia.
Se e certo que inicialmente ia em funcao dos magnificos concertos ( que hoje ja nao existem!), tambem é certo que hoje vou pela "magia" de tar com os amigos e viver aquela semana que tanto nos marca como estudantes!

Infelizmente cada vez gosto menos da famosa queima... Vou de arrastao e ja nem bilhetes de estudante me digno a comprar, sujeito-me ao que há... (indo assim talvez pelo principal motivo, os estudantes!).

Mas e uma fase minha, tua... e de todos nos estudantes... e so nos podemos fazer a diferença (no meu entender "fazer a festa").

So te digo uma coisa... Vem com a gente, agora es meu "compinxa" de faculdade... nao ha Inem (graças a Deus), no maximo somos nos a chamar o mesmo por algum infeliz perdido podre de bebado (o que ja aconteceu este ano!)... mas estamos a curtir e a festejar o que ainda somos... No fundo isso e que importa nao e? :)

E claro, este testamento foi escrito apos uma noite de queima... Mesmo a minha cara estas coisas haha... Na boa... parar e morrer por isso siga pa bingo ;)
Aquele mix de musicas na Queima depois de 2 wikis tem mesmo a sua piada, acredita!

Beijinho e continua a escrever assim, tas a rockar.. senao olha, sexta la estaremos. :p